terça-feira, 16 de novembro de 2010

narrador de Futebol


Quando me perguntam sobre a importância do narrador esportivo, analiso com frieza e dou respostas que muitas vezes se chocam com o pensamento coletivo.
Em primeiro lugar, é preciso fazer a distinção entre o narrador de rádio e o de televisão.
O comunicador do rádio é mais importante, porque é ele quem relata o evento em minúcias e detalhes, tendo a enorme responsabilidade de formar a imagem da partida para o ouvinte.
É ele quem desenha o que se desenvolve no gramado e nas arquibancadas. Ele é o guia do ouvinte. Mentor das idéias e do relato.
Precisa ser ágil, fotografar mentalmente tudo o que está à sua frente e transmitir todas as cores do que se lhe apresenta.
Tem de colocar a dose certa de emoção. Viver as emoções dos lances e passar para os ouvintes.
A linguagem do rádio é a da emoção, mesmo em eventos mornos.
O locutor de rádio numa transmissão de futebol é quem carrega nas costas a carga maior.
Tudo é importante, é óbvio, como o analista, os repórteres, os coordenadores, produtores, operadores técnicos, e tudo mais.
Mas se o narrador não tiver carisma, tudo desmorona.
Já na televisão, tenho uma visão diferentes e algumas vezes contestada até por diretores do veículo.
Não vejo o narrador como a principal peça da máquina.
Em primeiro lugar tem a IMAGEM.
Televisão é o que? IMAGEM.
Assim, a imagem é que prepondera.
Os comunicadores apenas fazem parte do trabalho, ilustrando o que o telespectador está vendo, e nada mais.
É preciso cuidados, obviamente.
É preciso muita atenção aos cortes do diretor de imagens.
É preciso respeitar o que o telespectador está assistindo.
É preciso estar inteirado do evento, com todas as informações.
Precisa estar situado no contexto do espetáculo que se desenrola.
Alguns diretores de televisão acham que o narrador deve ser um animador de transmissão.
Já ouvi isto de importantes diretores.
Outros entendem que quanto mais polêmico o comunicador, melhor para a repercussão do trabalho.
Mas aqui do meu simples cantinho, prefiro que o narrador seja discreto e que não queira ser mais importante do que as imagens transmitidas.
Descontrair é uma coisa, superar-se às imagens é ir na contramão do veículo.
Não falo apenas como um profissional da área, mas como um telespectador que também sou.
Pessoalmente, não gosto que o narrador me inquiete no sofá.
Não gosto que a minha inteligência e o meu discernimento sejam aviltados, com imposições ou coisa que o valha.
É claro que o narrador precisa, em alguns momentos, ser incisivo e emitir o seu parecer - embora essa tarefa seja especialmente do comentarista - mas na dose certa.
Fazer prevalecer a sua opinião não é legal.
Em resumo, a função do narrador esportivo é séria, dificil e muito delicada.
Mexe com as emoções das pessoas.
Conflita, às vezes, com a interpretação de quem está do outro lado.
Está todo o tempo exposto na vitrine.
São centenas de milhares de pessoas ouvindo e tendo suas conclusões.
Deixo claro nesse post que são observações pessoais sobre a profissão. Nada mais do que isso.
Longe de mim lançar criticas a companheiros. Não tenho o direito e nem autoridade para tal.
Cada um faz do seu jeito, de acordo com as suas convicções e características.
BLOG DO JOTA JR Narrador do canal Sportv.

5 comentários:

Gabriel Oliveira de Souza Reis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel Oliveira de Souza Reis disse...

Legal essa matéria!

Fernando de Lélis disse...

muito boa mesmo.

JOCARLOSBARROSO disse...

Importante a matéria sobre o locutor esportivo. Não conheço muitos ou quase mesmo nenhum, mas como observador você tem ficado melhor a cada ano, e é assim mesmo.
Isto não é papo de amigo não é fato verdadeiro, porque você bem me conhece se fosse ruim e mais ou menos também falaria.
Torço por você caro amigo e que Deus lhe abençõe como a todos dessa linda familia.
Abraços!

Fernando de Lélis disse...

Tenho muito que agradecer a sua amizade do Tiago que tambem gosto muito dele.Obrigado pelos elogios, sua familia tambem é linda.