terça-feira, 20 de novembro de 2012

Roda de capoeira no calçadão incentiva os jovens ao esporte

EditarA modalidade sempre atrai os olhares de quem passa pelo coração de São João Nepomuceno

por Fernando Júnior – Atualizado em 20/11/12
fotos: Fernando de Lélis


Capoeiristas na roda no calçadão em São João Nepomuceno / foto: Fernando de Lélis

Nos sábados pelas manhãs, o dia de mais movimento pelo centro da cidade, é comum assistirmos uma roda de capoeira no calçadão da Rua Coronel José Dutra. A ginga e a agilidade dos praticantes da modalidade chamam a atenção de todos, principalmente dos jovens que aproveitam para passear com os pais.

A Escola de Capoeira Aruanda, usufrui do espaço movimentado para fazer várias demonstrações do que é a capoeira e o que é transmitido através dos treinamentos.

Uma maneira despertar o interesse para quem já gosta, mas se sente receoso para dar os primeiros passos nesta expressão cultural, que faz um misto entre arte-marcial, esporte, cultura popular e música.

A musicalidade é que distingue a capoeira das outras artes marciais. Quem inicia neste esporte, aprende não só a competir, mas também a tocar instrumentos típicos e a cantar. Um capoeirista experiente que ignora a musicalidade é considerado incompleto


Conheça um pouco da história da capoeira no Brasil
e vejam as fotos no final da matéria:

Ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães-do-mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta.

Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros.

A prática da capoeira ocorria em terreiros próximos às senzalas (galpões que serviam de dormitório para os escravos) e tinha como funções principais à manutenção da cultura, o alívio do estresse do trabalho e a manutenção da saúde física. Muitas vezes, as lutas ocorriam em campos com pequenos arbustos, chamados na época de capoeira ou capoeirão. Do nome deste lugar surgiu o nome desta luta.

Até o ano de 1930, a prática da capoeira ficou proibida no Brasil, pois era vista como uma prática violenta e subversiva. A polícia recebia orientações para prender os capoeiristas que praticavam esta luta. Em 1930, um importante capoeirista brasileiro, mestre Bimba, apresentou a luta para o então presidente Getúlio Vargas. O presidente gostou tanto desta arte que a transformou em esporte nacional brasileiro.

Três estilos da capoeira

A capoeira possui três estilos que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento. O estilo mais antigo, criado na época da escravidão, é a capoeira angola. As principais características deste estilo são: ritmo musical lento, golpes jogados mais baixos (próximos ao solo) e muita malícia. O estilo regional caracteriza-se pela mistura da malícia da capoeira angola com o jogo rápido de movimentos, ao som do berimbau. Os golpes são rápidos e secos, sendo que as acrobacias não são utilizadas. Já o terceiro tipo de capoeira é o contemporâneo, que une um pouco dos dois primeiros estilos. Este último estilo de capoeira é o mais praticado na atualidade.

Você sabia?

- É comemorado em 3 de agosto o Dia do Capoeirista.



Por Fernando Júnior
fernandolelisjr@gmail.com

Nenhum comentário: